Aaliyah

  • Record Label: Virgin
  • Release Date: Jul 17, 2001
Metascore
76

Generally favorable reviews - based on 14 Critics

Critic score distribution:
  1. Positive: 11 out of 14
  2. Negative: 1 out of 14
  1. Aaliyah isn't just a statement of maturity and a stunning artistic leap forward, it is one of the strongest urban soul records of its time.
  2. 70
    At times, Aaliyah's somewhat frail, underpowered vocals seem insufficient to meet the emotional heights she seeks to attain (particularly on the epic ballad "I Refuse"), but simultaneously that's a large part of her appeal.
  3. Overall, aside from the crummy rock-out of 'What If', 'Aaliyah' is accomplished fluid soul, with nothing too jagged or startling to spoil the polished veneer.
  4. Though not as immediate as some of her past mainstream work, Aaliyah's latest has the smoky temptress slowly working her way through R&B, hip-hop and even slightly techno beats...
  5. Aaliyah only missteps when she tries to stretch outside of her musical comfort zones, indulging in Latin pop and cheesy metal on ''Read Between the Lines'' and ''What If,'' respectively.
  6. At times the reliance on heavy-breathing, laid-back grooves is a little annoying--Aaliyah doesn't quite have the pipes to carry off melodramatic fare like "Never No More," and a few more club bangers on the order of the springy, sassy "U Got Nerve" certainly wouldn't have hurt.
  7. What's most pronounced is the subtlety of it all, the tastefulness, the lack of bombast and histrionics.
  8. An album of dull, vocal virtuoso ballads.
  9. Q Magazine
    60
    A fair bit of filler... [Sep 2001, p.106]
  10. Aaliyah is Control, Velvet Rope and Jagged Little Pill all rolled into one. It's the album Janet should have made with All for You, the manifesto that Beyonce thought she was penning with Survivor.
  11. Take away the album's lone misfire -- the cliché-filled "Rock the Boat," produced by Rapture and E. Seats -- and this work is nearly perfect.
  12. Spin
    80
    Deeper than anything she's delivered before, Aaliyah's a hard record; almost never does a song roll over and beg to be loved. This makes the yielding moments all the sweeter. [Aug 2001, p.130]
  13. When it clicks, "Aaliyah" transforms the confusion of young adulthood into exhilarating freedom
  14. Like [Missy] Elliott's terrific last release, Aaliyah gets into a sultry, late-night groove and sticks with it, but throws in enough sonic twists--like the moody piano and symphonic flourishes of "I Understand"--to keep it from getting redundant.
User Score
8.9

Universal acclaim- based on 83 Ratings

User score distribution:
  1. Positive: 30 out of 31
  2. Negative: 0 out of 31
  1. Jan 20, 2017
    10
    O “Aaliyah” de 2001 é o último disco em vida de uma das mais influentes artistas de r&b. Em seu registro final, um álbum intitulado, com umaO “Aaliyah” de 2001 é o último disco em vida de uma das mais influentes artistas de r&b. Em seu registro final, um álbum intitulado, com uma capa vermelha fotografada por David LaChapelle, que a cantora descreve como o seu próprio “Control” - álbum de Janet onde a artista assumiu o autonomia e poder criativo de sua carreira - a cantora aposta em seus já consagrados parceiros - que ela tem o mérito de ter descoberto - Timbaland e Missy Eliott, que aqui são coadjuvantes das produções e composições de Stephen Garrett (Static Major), Eric Seats e Rapture. A cantora que aqui é mais sexy e madura que em seus trabalhos anteriores, tem a ousadia de deixar Missy Eliott e Timbaland que eram apostas fáceis de sucesso com apenas 3 das 15 faixas de sua edição normal. O álbum traz uma sonoridade sem compromisso com os charts da época, apesar de “Try Again” - trilha sonora de seu filme auto-estrelado “Romeu Tem Quem Morrer” - ter sido um grande hit que alcançou o topo do Hot 100 da Billboard e deu a Aaliyah prêmios como o MTV VMA. A artista traz sua modéstia em faixas de R&B como “Extra Smooth” que teriam chances tranquilas de serem grandes hits do gênero na época. Diferente de suas concorrentes da época, Aaliyah consegue ser mais variada que Alicia Keys, mais autêntica que Beyoncé e experimentar muito mais que Janet tenha neste século XXI. A artista sabe muito bem como alocar suas influências e até nos surpreende com faixas que mesclam o r&b com o rock como em “What It”, faixa que tem Nine Inch Nails - um de seus artistas favoritos - como inspiração.
    “Aaliyah” não é só um álbum bom, por méritos de uma produção polida, ele é um disco que consegue vencer o tempo, tem qualidade, vence obviedade e tem além da modéstia, a ousadia. As letras do disco são um verdadeiro grito de independência, autoconfiança e maturidade. Em sua maioria das faixas, a cantora transmite um discurso de sempre estar no controle de suas relações. “What If”, faixa já citada, tem uma letra que fala sobre quebrar esteriótipos femininos, assim como “Never No More” - uma das baladas do disco - trata de uma relação abusiva, que a cantora luta contra.
    Quase 16 anos depois, “Aaliyah” permanece como um clássico do gênero, um álbum que redefiniu conceitos, que inspirou toda a geração atual - artistas como o rapper Drake se inspiram nela - e que hoje, é um trabalho que encontra poucos concorrentes à sua altura.
    Quando muitos diziam que a artista teria um futuro brilhante não só na música, como no cinema, era a certeza de observar que Aaliyah deixou em vida trabalhos que ainda hoje soam frescos e que vários de hoje tentam refazer. Uma artista com personalidade e sempre à frente do seu tempo, Aaliyah é firmemente a eterna princesa do r&b.
    Full Review »
  2. Sep 13, 2016
    9
    We Need a Resolution 4/5
    Loose Rap 4/5
    Rock The Boato 4/5 More Than a Woman 5/5 Never No More 4/5 I Care 4 U 4/5 Rap Tracks Publishing
    We Need a Resolution 4/5
    Loose Rap 4/5
    Rock The Boato 4/5
    More Than a Woman 5/5
    Never No More 4/5
    I Care 4 U 4/5
    Rap Tracks Publishing 3/5
    Read Between The Lines 4/5
    U Got Nerve 3/5
    I Refuse 4/5
    It's Whatever 4/5
    I Can Be 3/5
    Those Where The Days 4/5
    What If 4/5
    Try Again 5/5
    Full Review »
  3. May 8, 2016
    10
    This album is the best project of her. Producing is unique and lit. (hands down to Timbaland)
    (by the way my favourites are 'more than a
    This album is the best project of her. Producing is unique and lit. (hands down to Timbaland)
    (by the way my favourites are 'more than a woman, try again, we need a resolution, loose rap and what if)
    Full Review »