• Record Label:
  • Release Date:
Emily's D+Evolution Image
Metascore
84

Universal acclaim - based on 14 Critics What's this?

User Score
7.7

Generally favorable reviews- based on 43 Ratings

Your Score
0 out of 10
Rate this:
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 1
  • 0
  • 0
  • Summary: The fifth full-length solo release for the multiple Grammy-winning artist is a concept album built around her muse named Emily (which is also her middle name) and was produced with Tony Visconti.
Buy On

Top Track

Good Lava
See this pretty girl Watch this pretty girl flow Lone ranger I see you at the view Wondering from a distance what my pretty pea can do Come bring... See the rest of the song lyrics
Score distribution:
  1. Positive: 14 out of 14
  2. Mixed: 0 out of 14
  3. Negative: 0 out of 14
  1. Mar 11, 2016
    90
    Esperanza Spalding’s new recording, Emily’s D+Evolution is an astonishing beauty, a set of a dozen songs that artfully and persuasively bridge genres.
  2. Mar 4, 2016
    86
    The lyrics are elusive at first, darting behind fast-moving songs and delivered in impressionistic, conversational bursts that recall the delivery of Joni Mitchell. But the fearless generosity behind them communicates itself loud and clear, and it's a spirit that animates the entire album. With it, Spalding has once again redefined an already singular career, dictating a vision entirely on her own terms.
  3. 83
    Emily’s D+Evolution is a tight package that should appeal to fans of Janelle Monáe and Joni Mitchell’s more jazzy endeavors, or anyone who is looking for some well crafted, ambiguous music, with elements of jazz, rock, and folk accompanied with some stellar singing.
  4. Mar 3, 2016
    80
    Spalding’s voice has never sounded so assured in its dizzying ascents from mid-range murmurs to falsetto swoops. Her singing variously suggests Kate Bush, Janelle Monae or even a female Jack Bruce with a 21st-century Cream.
  5. Mar 3, 2016
    80
    While Spalding never sounds anything less than original on the album, part of the beauty here is in recognizing her inspirations and reveling in how she has made them her own.
  6. Mar 3, 2016
    80
    Her new album builds on that idea [multi-hyphenate] in a thrilling way, taking the experimental ideals that she learned as a student of jazz into new directions--heady funk, tongue-twisting soul, sparsely arranged confessional --that consistently surprise.
  7. 70
    She still favors too many Wayne Shorterish chord progressions to truly suit the easily impressed. It’s precisely when she stretches--as on “Rest in Pleasure,” which has a melody you wouldn’t wish on a less acrobatic singer--that Ms. Spalding seems most ingenuous and unbound.

See all 14 Critic Reviews

Score distribution:
  1. Positive: 3 out of 3
  2. Mixed: 0 out of 3
  3. Negative: 0 out of 3
  1. Apr 4, 2016
    10
    amo demais, ta maravilhoso socorro a rainha voltou pra levar os grammys alheios chupem haters. não havera justin bieber e drake pra contaramo demais, ta maravilhoso socorro a rainha voltou pra levar os grammys alheios chupem haters. não havera justin bieber e drake pra contar historia em 2017 Expand
  2. Mar 5, 2016
    10
    amo demais, ta maravilhoso socorro a rainha voltou pra levar os grammys alheios chupem haters. não havera justin bieber e drake pra contaramo demais, ta maravilhoso socorro a rainha voltou pra levar os grammys alheios chupem haters. não havera justin bieber e drake pra contar historia em 2017 Expand
  3. Aug 27, 2016
    8
    Apesar de uma carreira relativamente longa com cinco álbuns no currículo, Esperanza Spalding ainda é uma desconhecida para uma parte do grandeApesar de uma carreira relativamente longa com cinco álbuns no currículo, Esperanza Spalding ainda é uma desconhecida para uma parte do grande público. Não uma desconhecida totalmente, pois a cantora ainda pode ser lembrada por ter vencido o Grammy de New Artist na premiação de 2011, fazendo dela a primeira artista de jazz a realizar tal feito. Todavia, o fato mais marcante é que ela venceu sobre um então jovenzinho Justin Bieber, gerando uma onda de "protestos" das suas fãs que alteraram a página dela no Wikipédia com comentários racistas. Depois de cinco anos do ocorrido e mais três vitórias no Grammy, Esperanza lança o seu quinto álbum e prova que a sua premiação foi realmente para a pessoa certa.

    Emily's D+Evolution, porém, não é exatamente o álbum tradicional de uma artista de jazz que se pode esperar. A primeira coisa que é necessária saber sobre o trabalho é que quem assina a sua co-produção é nada mais que o lendário produtor Tony Visconti, o homem que ajudou a construir quase toda a carreira de David Bowie. Então, imagine que o álbum irá ser qualquer coisa, menos tradicional. Além disso, Esperanza Spalding é uma artista singular: baixista e violoncelista que tem como grandes influências nomes como, por exemplo, Madonna, Joni Mitchell e Milton Nascimento, além de citar a música brasileira como fonte de inspiração. Essa mistura inusitada ajuda a transformar Emily's D+Evolution em uma obra inacreditavelmente moderna, ousada, poderosa e carismática.

    Ao lado de Tony, a artista construí uma viagem sinuosa em uma fusão de jazz, jazz contemporâneo, R&B contemporâneo, art rock e funk salpicados por toques de bossa nova, rock e jazz improvisation. Nas mãos de outros menos talentosos essa combinação de tantos elementos poderia acabar em uma colisão de sons de proporções épicas. Não em Emily's D+Evolution: toda a estranheza é refinada por uma delicadeza tocante, toda escolha sonora é feita de maneira graciosa e cada nuance é adicionada como se fosse mel para adoçar o mais amargo dos cafés. A jornada que a artista nos leva poderia ser acidentada e cheios de buracos, mas a sua destreza em navegar por tantos terrenos acidentados é o grande trunfo para a experiência magnifica que é ouvir as doze faixas do álbum. Outro grande trunfo é a qualidade técnica das instrumentalizações feitas para as músicas, não apenas devido ao talento da artista em tocar vários instrumentos para o álbum, mas, também, a excelente a banda que a cerca. Apesar disso, Emily's D+Evolution não é exatamente uma passeio no parque e não deve ser apreciado por muitos devido a sua ousada sonoridade e complicadas composições. Escrevendo quase sozinha quase todas as letras do álbum, Esperanza é uma compositora virtuosa que parece primar pela inteligência e construção poética dos seus trabalhos. Mesmo com uma qualidade indiscutível, mas que tem um nível de dificuldade de compreensão bastante alto. Isso dificulta uma maior empatia pelas canções de primeira vez, levando algum tempo para isso acontecer. Entretanto, não há como não se apaixonar pela doce voz de Esperanza e as suas inspiradas performances durante todo o álbum que mostram uma versatilidade gigantesca, mostrando influências de cantores de jazz, R&B, bossa nova e até mesmo de musicais da Broadway. Emily's D+Evolution é trabalho memorável por inteiro, mas que tem em algumas faixas momentos geniais: Unconditional Love, Judas, Earth to Heaven e Ebony and Ivy. Em um ano tão interessante como o de 2016 no mundo da música, "descobrir" Esperanza Spalding é um dos momentos mais surpreendentes e gratificantes até agora. O que esperar para o segundo semestre?
    Expand

Awards & Rankings